sábado, outubro 21, 2006

La Notte, di Muzzoloioni.

O telefone toca, trim, trimmmm, trim! Corro a atendê-lo.
- Tiago?
- Sim, Plú?
- Aham, e aí, quê você tá fazendo?
- Nada de mais.
- E o que vai fazer?
- Não sei, talvez estudar o teatro vicentino.
- Mas isso não cai no vestibular, cai?
- Um pouco, mas nem é por isso, eu gosto de às vezes estudar coisas chatas, me torturar, sabe, sujeitos precisam se molestar pra atingir alguma coisa.
- Profundo.
- É nada, é uma bosta.
- Vamos sair?
- Eu ia te dizer isso agora.
- Então vamos, eu terminei com o meu namorado, ai, não agüentava mais, mandei um email destruidor.
- Bom, finalmente uma atitude. Mas e agora, vai continuar usando a desculpa do namoradinho que mora longe, mas é namoradinho, para não trepar?
- Ai, não sei, eu gosto dele, mas é que não dá mais, vivo estressada, ai, não agüento mais isso.
- Entendo perfeitamente. Sabe que aqui a minha casa está sempre às ordens. Vamos sair hoje então pra você desbaratinar essa chatura toda. Quando te pego?
- Vinte minutos? Eu estou pronta, você está?
- Beleza.

Uma coisa seriíssima na vida de um sujeito é urinar. Na verdade, são três as coisas. Há o primeiro momento do dia, quando o sujeito enfrenta a privada branca e seu pinto está com a ponta colada. Há uma explosão seguida de um espirro que molha e urina todo o banheiro. Vovó e as mulheres em geral costumam reclamar demais disso. Mas eu não ligo, faz parte da natureza. Uma outra coisa séria é quando você já está acordado e não espera que o pinto esteja com a ponta colada, mas ele está, e a mesma merda acontece. Um terceiro momento é quando você erra. Esse último é mais natural, creio eu.

Tomar banho ou não? Havia tomado de manhã, pensei que bastava. Lavar as axilas ou não? Pra quê?!, deixe o termômetro da necessidade de banho funcionar naturalmente. Troquei de roupa, penteei o cabelo, passei algum perfume no couro e saí loucamente na caranga vinho com uma garrafa de Heineken que já estava no freezer gelando para eu tomar quando acabasse de ler sobre o teatro vicentino. A Plú despediu-se docemente de seus pais que assistiam a Mazzaroppi quando me viu estacionar na frente da casa.

- E aí, tá melhor de quando me ligou?
- Sim, tô animada hoje. Ele é um filho-da-puta, eu fico aqui me acabando e ele nem se importa, até a irmã dele me apoiou.
Aiai..., pensei lançando um sobrolho a ela.

Fomos até a casa de uma amiga conseguir convites para o lançamento do cantor pop da cidade. E foi surreal! Havia duas mulheres fabulosas, uma só tratava de homens por seus sobrenomes. A outra era maior ainda que a primeira, mas parece que se sentiu envergonhada e sentou-se no sofá. Seus dedões do pé eram jurássicos, e eu tive medo. Elas falavam de sobrenomes, depois falaram da matança animal, uma relatou sua experiência vendo o avô carnear uma vaca na fazenda, e a outra contou que certa vez matou um porquinho-da-índia à pauladas no quintal da casa onde morava com a família. Diz ela que ainda sofre pesadelos.

A luz da sala estava apagada e pouco pude ver da beleza delas, mas eram deusas. Um doidão forte que usava boné enterrado logo chegou trazendo convites e uma cerveja. A minha Heineken já havia acabado e tomei um gole da dele. Estava choca. Enfim partimos do ambiente escuro e cheio de deusas cavalares, que na verdade me causavam certa ojeriza por serem demasiado … demasiado… tolas.

Chegamos à festa e o lugar estava ótimo, muito bem decorado, cheio de pessoas bonitas e fitas nenhuma para acontecer. A Plú encontrou algumas amigas divertidas e simpáticas e ficamos em volta, de bobeira. Mais tarde o homem subiu ao palco e tocou músicas suas com famosas do Jorge Ben. Dançamos. A noite não estava para nós e, após bebermos algumas boas latas de cerveja, resolvemos ir embora. A noite seria dos elektro.

A chácara era distante da cidade e tínhamos que passar por estrada. Eu não havia checado a quantidade de gasolina no marcador e… ficamos no caminho. Num lugar ermo, havia apenas eu, a Plú e a caranga da Vovó.
Vou ligar pro kibe, pensei, e disse:

- Plú, há três opções, ligar pro Kibe, ligar pro Kibe, e ficar aqui. Qual delas você prefere?
- ah, estamos diboa aqui, já bebemos algumas, liga pra ele e quando ele puder, ele vem, mas nem esquenta.
- Beleza.

Não disse mais nada e pulei em cima dela como o meu cão-carneiro faria em seus tempos de boemia. A caranga fedia à gasolina, embora estivesse seca, e a Plú me lambia recendendo - dela - um perfume dulcíssimo, delicioso, que me deixava louco de vontade de sugar toda aquela carne vulvar. Adoro mulheres cheirosas, e esse foi o único momento da noite em que pensei: “Puxa, como valeu a pena passar por tudo para estar aqui”. Quando digo passar por tudo me refiro à chatice de agüentar um músico chinfrim tocar bagaceiras, à chatice de suportar a dor latejante do membro durante quase todo o tempo ao lado de uma mulher tão fragrantemente exuberante, e sem falar na chatice de ter de ouvir todos os blablablás que uma mulher que tem várias bolsas e sapatos tem para dizer após romper com o namorado de anos que estuda fora e só a vê quatro vezes por ano, e que nem nessas raras ocasiões a satisfaz satisfatoriamente. Doce virgem que era, assim se dizia. Podia até ser, em se tratando de namorar um vèado, mas que sabia das coisas sabia.

Uma outra das seriíssimas incongruências que não entendo é esta: por que as mulheres interioranas insistem em se dizer virgens? Por que, meus gloriosos deuses tutelares das intempestividades? Por quê? Mulheres já feitas, que fazem coisas na vida, pulam n'agua fazendo tchbum há muito tempo, têm cara-peito-rosto-e-alma, e ainda acham bonito dizer tais coisas, por quê?

Incógnitas que jamais entenderei(emos).

O Kibe levou gasolina para nós e fui deixar a Plú em casa. Eu teria que trabalhar no outro dia um pouco cedo e preferi não dizer-lhe que estava sozinho. Ela foi toda a viagem falando, ininterruptamente. Descarrilou todas as suas fofocas, angústias, trique-triques femininos e demais coisas sobre o recém-ex-namorado-vèado. A Plú é absolutamente uma mulher convencional, daquelas que usam salto e saia, pintam as longas unhas de vermelho, ora de branco, ora de preto, e falam, principalmente depois de um coito que há muito almejavam ardentemente. Mulheres que namoram à distância têm uma forte inclinação à histeria, pois falta-lhes o essencial. Apesar de tudo, quando me lembro do cheiro dela, do odor que sua vulva espargia, dos toques lépidos e surpreendentes, tudo se recompõe e se justifica nos mínimos pormenores.

Fui levar o Bonifácio para vacinar. O Kibe foi no porta-malas com eles, o Bonifácio e a Nanica. Ele foi rebolando e bocejou quando o homem deu-lhe a agulhada, de descaso. A Nanica chorou, mas depois a alisamos afetuosamente e passou.

Vovó vazou e deixou-nos a casa, além de um vazio enorme. Vovó é muito sistemática (nome bonito para designar chatos), mas faz uma falta doída.

Scenic Railway, mon raison est definitive!

1 Comments:

Blogger Guilherme said...

Belo ensaio difuso.. o melhr que já li e compreendi.

abação, seu trambica de fossa.

7:55 PM  

Postar um comentário

<< Home