sexta-feira, dezembro 01, 2006

Eulalinha.

“Incendeia! Incendeia!”, gritava Eulália à porta de sua casa, e foi assim que fiquei conhecendo a Jabuticaba, Eulalinha olhos de lantejoula preta, fantástica, que, apesar de me despertar às dez da manhã, conseguia me manter na linha tênue que segura o bom-humor durante o resto do dia.

Escrevi a ela poemas que diziam:

“Verterei lágrimas com chapas de dor para serem partículas menores,
Grãos de sofrimento condensados em pequenos momentos passageiros.
Viverei de ti, consumirei o ardor de te ver, de te sentir e de te tocar, Eulalinha!
Vem para perto.
Vive o intenso gozo da luz do dia!
Parte aquela acha que te incendeia de desgosto
E eu te ajudarei, Eulalinha”.

Um dia saímos à tarde para passear pelas ruas arborizadas. O miserável que lhe dividia a cama estava no trabalho. Concordamos no silêncio. Discordamos do vazio e definimos diferenças. Sôfrego e trôpego, eu bolava estratagemas para liquidá-lo. E assim escrevia poemas:

“Eulalinha, vamos doer! Vamos construir um mundo verdadeiro,
Desconsideremos as adversidades, não tem vicissitude, esquece-as!,
O mundo é das flores, dos sentidos, não há pensamento em fluir,
O fim é relativo, pode ser apenas uma passagem,
O fim de um representa a liberdade do outro,
Mas, na verdade, ambos se libertarão,
Somos mazelas, tristezas, tragédias,
Superemos! Superemos tudo, eulalinha!”

Eulália às vezes não reagia.

O mundo é muitas vezes tão só cruel que nos desvincula de seus atributos. Os dias voam, enquanto que alguns segundos perduram. O antagonismo na relatividade do tempo machuca nervuras calejadas. Há de tentar manter-se imune, liso, livre e cauterizado das más conseqüências, também das más causas. Verdades perseguem atos. Cumpri-los é mera questão de tempo. Toda nudez será castigada! Toda nudez será castigada! Seja de alma, de inteligência, de decência, de amoralidade, de persistência.

--

Eu estava na fila para o banheiro do boteco que freqüento todas às sextas. Uma garota não parava de me olhar, desde quando eu estava na mesa ao lado da dela. Um amigo veio me abordar, vèado, disse que a amiga não estava afim! “Por que me olha tanto então?”, “Ah, ela é assim mesmo, indiscreta!”. Mais tarde, depois de já ter me apresentado a todos de sua mesa, e de ter tido com ela alguma conversa, voltei a procurá-la. “Onde está Luciana?”; “E você vem perguntar justo pra mim? Otário!, não sei onde está a Luciana e se soubesse não falaria!”; “Cruzes, me desculpe, qual é o seu problema?”; “Eu não tenho problema nenhum, você é que tem!”; “Escuta aqui docinho, não vou ficar ouvindo desaforos de você, está bem?! Eu sei que vocês são amigas porque estavam juntas conversando, quero que vá lá e diga a sua amiga que quero passear com ela esta noite, ok, mande-a vir falar comigo, vou estar ali no balcão tomando uma cerveja. Entendeu?”; “Vá se foder, quem você pensa que é?”; “Oras, eu sou jesus cristo, quem mais eu poderia ser?”

Após alguns minutos, desisti e resolvi pegar o carro para ir a outro lugar, quem sabe encontrava algum conhecido para um papo furado e mais algumas cervejas, ainda era muito cedo para ir pra casa. No caminho, resolvi passar num posto para pegar uma, e vi Luciana se pegando com a amiga enfezada. Maldição, pensei, a vadia ainda é lésbica; de certo ficava me secando por causa de algum amigo vèado que estava com ela.

Depois disso, transtornado, fui para casa ler Sexus, Plexus e Nexus.

4 Comments:

Anonymous alvarêz dewïzqe said...

pelo menos a noite terminou bem.

já passei por uma dessa num bar: a mina sentou do meu lado e puxou papo. ela era linda linda linda. pensei "ganhei a noite". mas no final ela me contou que era lésbica e que tinha um amigo dela, viado, que estava querendo me conhecer. maldição, e naquela época nem ao menos um H.M. pra terminar a noite.

11:41 AM  
Blogger Guilherme said...

Véado, véado, véado doido douido doido três vezes mais: queime, mas guarde o livro pra mim.

3:45 PM  
Blogger Jorge Ferreira said...

bom poder voltar pra casa e poder ler o velho HM...

2:46 AM  
Anonymous alvarêz dewïzqe said...

tem post pra lembrar das perversas, lá no a.d. take a look.

5:03 AM  

Postar um comentário

<< Home